Sábado, 28 de Maio de 2022
19°

Pancada de chuva

Barra Velha - SC

Dólar
R$ 4,73
Euro
R$ 5,08
Peso Arg.
R$ 0,04
Angola ANG-AGRO/Praga

DECLARAÇÃO DE GUERRA...

À “LAGARTA MILITAR”, EM ANGOLA

01/05/2022 às 16h49 Atualizada em 02/05/2022 às 18h55
Por: Rui Candeias Fonte: rc-redação-f8
Compartilhe:
DECLARAÇÃO DE GUERRA...

DECLARAÇÃO DE GUERRA...

À “LAGARTA MILITAR”, EM ANGOLA

rc-redação-f8-30.04.22-

ANG-AGRO/Praga

 

Segundo o insuspeito Jornal de Angola, uma praga identificada por “lagarta militar” está a devastar as culturas de massango, massambala e milho na comuna da Môngua, município do Cuanhama, Cunene, comprometendo a colheita de cereais do ano agrícola, de acordo com informações do Gabinete Provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas...

O chefe do Departamento da Agricultura daqueles serviços, Filipe Capitango, disse ao Jornal de Angola que 1.200 lavras estão dadas como afetadas pela praga, só na Môngua, uma situação que preocupa os camponeses, desprovidos de meios alternativos de irrigação, bem como de pesticidas para o combate à peste, temendo-se pelas suas colheitas.

Filipe Capitango adiantou que técnicos do Gabinete e Administração Municipal do Cuanhama estão, nesta altura, a prestar assistência aos agricultores para se encontrarem soluções para combater a larva, acrescentando que estão a ser utilizados meios recebidos na altura da praga de gafanhotos, em Maio de 2021, para combater a progressão da peste. “O Gabinete carece de meios para combater esse tipo de praga, mais está à procura de soluções para travar o mal, através de novas técnicas”, afirmou Filipe Capitango.

“Fomos informados pelos camponeses que a praga, com características da ‘lagarta militar’, está devastar várias lavras na comuna da Môngua, com maior incidência para as culturas de massango, milho e massambala”, disse.

A praga da “lagarta militar” também já está a afetar lavras de camponeses nos municípios de Ombadja, Cahama e Namacunde, devastando hectares de culturas de cereais, principais produtos da dieta das famílias no Cunene.

Tulipuleni Constâncio camponês da comuna da Môngua, disse que a praga está a afetar o caule e o próprio grão dos cereais e já devastou perto de três hectares da sua lavra, com consequências que poderão se refletir na altura da colheita., insistindo em que a “lagarta militar” destrói plantações inteiras.

Clementina Ndanyengwa, outra camponesa , afirmou que se trata de lagartas e insetos que devastam as culturas. “A praga começou no princípio de Abril e já destruiu uma boa parte das lavras da comuna. Temos receio que se alastre para outras culturas, porque verificamos que a praga devasta tudo que encontra, pelo que apelamos ao Governo da província para agir com celeridade para que os prejuízos não sejam maiores”, disse.

A “lagarta militar” é uma espécie de larva que se alimenta de plantas de milho, preferencialmente, mas também devora outras culturas como de arroz, massango, massambala, trigo e feijão. A denominação “lagarta militar” surgiu porque a espécie, depois de consumir as plantas, adquire uma tonalidade verde, típica de fardamento militar.

Não. A culpa não é do MPLA. É das lagartas (da oposição)

Ao contrário do que o Folha 8 tem escrito, a culpa de Angola ser um dos países mais corruptos do mundo, ter elevados índices de mortalidade infantil e 20 milhões de pobres, não é do MPLA, partido que nos (des)governa desde 1975. Está cientificamente (com)provado que a culpa é das lagartas, seja a do “funil do milho”, ou da “militar”.

Desde que apareceu, a lagarta do funil do milho tem provocado prejuízos económicos consideráveis nas culturas em alguns países da região e ameaça agora a segurança alimentar no continente.

A lagarta do funil do milho, comum nos países da América do Sul, foi diagnosticada no continente africano em 2016. A Nigéria foi o primeiro país da África Ocidental a detectar a praga, seguindo-se a África Central e a África Austral nos finais de 2017, com Moçambique e Angola a serem fortemente fustigados.

A União Africana tem estado a realizar várias iniciativas com vista à consciencialização dos países e controlo desta ameaça, alertou em declarações à RFI, Josefa Sacko, comissária da União Africana para a Economia Rural e Agricultura.

Dois anos após uma seca intensa provocada pelo El Niño que afetou mais de 40 milhões de pessoas e causou um défice de cereais de 9 milhões de toneladas, a região austral de África deparou-se com uma nova praga que ameaça devastar as culturas dos agricultores da região.

Trata-se de uma espécie de lagarta invasora (talvez ao estilo dos velhos colonizadores europeus) comum nos países da América do Sul que foi diagnosticada recentemente no continente africano.

Depois de ter sido detectada em países como Zâmbia, Zimbabwe, África do Sul, Malawi, Botswana, Swazilândia e Tanzânia, foi confirmada a sua presença em Moçambique nas províncias de Maputo, Gaza, Manica, Tete, Niassa e Zambézia.

O milho, que é a cultura alimentar mais importante na região, é a mais afetada por ser a principal cultura hospedeira comprometendo assim a segurança alimentar das famílias mas, esta também pode afetar um grande número de culturas incluindo a mapira (sorgo) e o trigo.

A fim de conter a propagação desta praga a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) disponibilizou fundos para apoiar no rastreio da praga nas zonas suspeitas.

A nível regional e internacional, estão a ser realizadas reuniões técnicas entre as autoridades nacionais de controlo de pragas e doenças transfronteiriças e as instituições técnicas internacionais com vista a desenhar-se uma estratégia global de intervenção e a identificação das necessidades de apoio dos países.

Paralelamente, a FAO tem estado a apoiar os países na avaliação da situação actual destinada a compreender a extensão e a intensidade da ameaça da lagarta do funil do milho, bem como na identificação de soluções sustentáveis para o controlo da propagação da praga.

Para a técnica de responsável pela área Produção e Proteção de Plantas dos escritórios regionais da FAO em Harare – Zimbabwe, Joyce Mulila Mitti, “nenhum país está a salvo, todos os países estão em risco e é importante que estejam preparados e tenham uma resposta imediata e, a constante monitoria é fundamental para se manter a praga controlada”.

MulilaMitti disse ainda que para além destas ações a FAO prevê:

– Apoiar a realização de avaliações em cada país sobre o impacto da praga (distribuição/mapeamento, níveis de infestação, danos, perda de rendimento, necessidades da população);

– Reforçar a coordenação regional através de sistemas de alerta precoce;

– Criação e/ou reforço de sistemas nacionais de vigilância com o envolvimento de parceiros através da prestação de assistência técnica e de aconselhamento;

– Distribuição aos países de guias técnicos com protocolos para auxiliar nas medidas de identificação e controle.

A Zâmbia, por exemplo, registou a maior área afetada na região da África Austral, com cerca de 223 000 hectares afetados, dos quais 90 000 de campos de milho, o que levou os agricultores a replantar as suas culturas e, no Zimbabwe, foram afetados cerca de 130 000 hectares.

Recorde-se que em 1974, no período colonial português, as exportações dos 15 principais produtos não petrolíferos representaram cerca de 44% do total das exportações angolanas. Somaram, à data, 554,1 milhões de dólares, o que “representaria hoje 27 vezes o total das exportações em 2016”, que foram de 142 milhões de dólares (retirando petróleo e diamantes).

Em Angola, depois do milho o arroz é o segundo cereal mais consumido, mas a sua produção interna, apesar dos esforços para o seu incremento, ainda não satisfaz as necessidades, obrigando a reforçar a sua importação.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Barra Velha - SC Atualizado às 19h13 - Fonte: ClimaTempo
19°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 24°

Dom 23°C 17°C
Seg 18°C 13°C
Ter 17°C 11°C
Qua 19°C 13°C
Qui 20°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias