Sábado, 28 de Maio de 2022
19°

Pancada de chuva

Barra Velha - SC

Dólar
R$ 4,73
Euro
R$ 5,08
Peso Arg.
R$ 0,04
Brasil BRA-AGU/STF-Graça

GRAÇA NÃO FAZ JUS...

A RELEITURA DE OUTRO PODER

01/05/2022 às 19h43 Atualizada em 02/05/2022 às 20h32
Por: Rui Candeias Fonte: rc-redação-ro
Compartilhe:
GRAÇA NÃO FAZ JUS...

GRAÇA NÃO FAZ JUS...

A RELEITURA DE OUTRO PODER

rc-redação-ro-29.04.22-

BRA-AGU/STF-Graça

 

AGU afirma que graça “não pode ser objeto de releitura por outro Poder”.

Advocacia-Geral da União também afirmou que a concessão de indulto individual é medida fundamental ao Estado de Direito.

A Advocacia-Geral da União afirmou à Justiça Federal nesta sexta-feira, 29, que o decreto pelo qual o presidente Jair Bolsonaro (PL) concedeu graça ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) “não pode ser objeto de releitura por outro Poder”. A AGU sustentou que o perdão é constitucional e prerrogativa do presidente.

O documento é uma resposta à decisão do juiz Carlos Ferreira de Aguiar, da 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro, que deu 72 horas para o governo federal explicar a graça concedida a Silveira. Foi a primeira manifestação da advocacia da União sobre o caso.

“A prerrogativa presidencial para a concessão de indulto individual é medida fundamental à manutenção do Estado Democrático de Direito, inspirado em valores compartilhados por uma sociedade fraterna, justa e responsável”, afirma o documento.

A ação popular foi apresentada pelos advogados André Luiz Figueira Cardoso e Rodolfo Roberto Prado, que alegaram que houve desvio de finalidade no ato de Bolsonaro. Além de analisar o mérito, a AGU solicitou que o pedido seja rejeitado porque já existem processos sobre o tema no Supremo Tribunal Federal, e por isso haveria o risco de decisões conflitantes.

No Supremo, as ações foram distribuídos para a ministra Rosa Weber, que na segunda-feira deu dez dias para a Presidência se manifestar. O jurista Dircêo Torrecillas Ramos avaliou que a decisão da ministra é um ato “mais político do que jurídico”.

No mesmo despacho, a magistrada, relatora de quatro ações que pedem a nulidade do perdão a Silveira, decidiu que o caso será julgado diretamente no plenário, ou seja, ela não analisará individualmente os pedidos. Não há previsão de data para julgamento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Barra Velha - SC Atualizado às 20h36 - Fonte: ClimaTempo
19°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 24°

Dom 23°C 17°C
Seg 18°C 13°C
Ter 17°C 11°C
Qua 19°C 13°C
Qui 20°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias