Sábado, 28 de Maio de 2022
19°

Pancada de chuva

Barra Velha - SC

Dólar
R$ 4,73
Euro
R$ 5,08
Peso Arg.
R$ 0,04
Angola ANG-MPLA/Atos

ATOS DO MPLA EXIGEM...

ESTUDANTES E SERVIDORES PRESENTES

27/04/2022 às 19h08
Por: Rui Candeias Fonte: rc-redaçao-a24h
Compartilhe:
ATOS DO MPLA EXIGEM...

ATOS DO MPLA EXIGEM...

ESTUDANTES E SERVIDORES PRESENTES

rc-redaçao-a24h-27.04.22-

ANG-MPLA/Atos

 

MPLA acusado de obrigar os estudantes e funcionários públicos" a ir às suas atividades...

Uma publicação na página que o presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, mantém no Facebook deu o mote: Trata-se de um vídeo em que se pode ver e ouvir uma conversa que alegadamente aconteceu na província de Cabinda:

"É documento, sim é documento. É obrigatório. Se não for tem falta. Ela é professora. Isso é sério. Isso é coação moral. MPLA não se pode comportar assim". As reações não se fizeram esperar. Mas o MPLA nega. E garante que ninguém foi ou é forçado a ir às suas atividades políticas.

O "post" tem quase 4.000 comentários, uns contra, outros a favor, uns a afirmar que isso sempre aconteceu, outros a negar que alguma vez tenha acontecido.

Do lado dos partidos, UNITA, PRS e Bloco Democrático insurgiram-se, dizendo que as "velhas práticas" de encerrar escolas e instituições públicas para atos de massas do partido no poder voltam a ganhar relevância nos últimos tempos, e numa altura em que o próprio MPLA lançou um debate na Assembleia Nacional sobre a transparência eleitoral, contrariando este princípio.

Um deputado da UNITA, Diamantino Mossokola, afirmou que "isso de condicionar os estudantes e funcionários públicos para atividades partidárias não é transparência".

"Isto afeta sobremaneira o espírito do que se quer: que as eleições sejam livres e transparentes", referiu o deputado, que reprovou este comportamento, apelando aos angolanos a terem coragem e não aceitarem ir "à força lá onde não querem ir".

"Ninguém pode temer mais, faltam poucos meses para a alternância ao poder. As pessoas tenham a coragem de publicar essas notas das escolas e dos outros estabelecimentos públicos que obrigam os funcionários públicos a participarem nas atividades partidárias", concluiu.

Raul Tati, deputado da UNITA eleito no círculo provincial de Cabinda, disse que recebeu uma denúncia de que os efetivos das FAA estacionados em Cabinda foram selecionados nos quartéis para reforçarem a moldura humana no comício realizado no dia 23 deste mês, pelo presidente do MPLA, João Lourenço.

Para o efeito, segundo o deputado "foram distribuídas camisolas e bonés do partido MPLA e os militares devidamente instruídos sobre a postura que tinham de exibir, fazendo-se passar pela população de Cabinda".

A direcção do MPLA em Cabinda já desvalorizou tais informações, sustentando que ninguém forçou pessoas para assistir ao comício presidido pelo líder do MPLA, João Lourenço.

"Os militantes do MPLA foram em massa para receber o líder e ouvir as principais linhas orientadoras do partido, tendo em vista a preparação das eleições gerais previstas para o mês de Agosto deste ano", disse ao Novo Jornal um membro da direção do MPLA em Cabinda.

Mas outro deputado da UNITA, Ernesto Mulato, diz que esta "é uma prática antiga".

"Só que antes ainda tinha certa aceitação social e agora essa aceitação está a desaparecer", disse ao Novo Jornal, frisando que "mesmo aqui em Luanda, os dirigentes sérios do partido no poder sabem das suas dificuldades neste sentido".

Na sua opinião, o MPLA não se pode queixar porque as suas autoridades administrativas fazem coisas que afastam as populações da sua afeição ao partido.

"A título de exemplo, num momento em que vão as eleições ainda têm coragem de demolir casas de cidadãos e sem qualquer preocupação pelo seu futuro e para os desprezar, leva-os para uma localidade sem condições", apontou.

"Pensavam encontrar casas, pois existem muitos condomínios desocupados, mas na prática receberam parcelas de terra de cinco metros quadrados e foram oferecidas às famílias três chapas de zinco", lamentou.

Para o deputado, desta vez vai ser um "caso sério" porque as populações não estão disponíveis para mais uma manobra, por isso terá de se ver bem o processo eleitoral e o processamento dos resultados.

O secretário-geral do PRS, Rui Malopa Miguel, disse que "é muito difícil o MPLA abandonar os princípios do comunismo, que é responsável por estas práticas".

"Os membros do MPLA estudaram muitas teorias socialistas e há dificuldades de incorporarem conceitos sobre a democracia", apontou, salientando que, quando se assiste a atos políticos do MPLA, a tendência é forçar as pessoas porque de outra maneira não é possível.

"Se hoje o partido no poder decidir realizar um ato público, e se não for por pressão, não terão gente suficiente para a realização do ato", acrescentou.

O secretário-geral do Bloco Democrático (BD), Muata Sebastião, diz que é uma falta de respeito encerrar instituições administrativas e escolas por causa de atos políticos do MPLA.

"Isto é falta de respeito pelas instituições. Não se pode suspender atividades administrativos devido a uma atividade de um partido político", criticou o político.

De acordo com o secretário-geral do BD, muitos responsáveis e funcionários públicos acham que isso é "muito normal", mas prejudica a maioria da população.

"Isso desmascara os discursos de que o MPLA é um partido de milhões e contra milhões ninguém combate. Não precisa de pedir empréstimos para encher os seus comícios", concluiu. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Barra Velha - SC Atualizado às 19h13 - Fonte: ClimaTempo
19°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 24°

Dom 23°C 17°C
Seg 18°C 13°C
Ter 17°C 11°C
Qua 19°C 13°C
Qui 20°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias