Sábado, 28 de Maio de 2022
20°

Pancada de chuva

Barra Velha - SC

Dólar
R$ 4,73
Euro
R$ 5,08
Peso Arg.
R$ 0,04
Mundo INT-AL/RUS

RÚSSIA E AMÉRICA LATINA

Atividades com possível envio de armas...

21/01/2022 às 19h12
Por: Rui Candeias Fonte: rc-editor-ar
Compartilhe:
RÚSSIA E AMÉRICA LATINA

Top of Form

RÚSSIA E AMÉRICA LATINA

Atividades com possível envio de armas...

rc-editor-ar-21.01.22

INT-AL/RUS

 

Artigo examina o desafio apresentado aos EUA pelas atividades russas na América Latina, com possível envio de armas a Venezuela e Cuba...

Artigo publicado originalmente em inglês no site do Think Tank Global Americans por “Evan Ellis”.

A ameaça indireta feita pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, à medida que a crise na Ucrânia se intensificou em janeiro de 2022, de que a Rússia não poderia descartar o envio de forças militares para Venezuela e Cuba, destacou os riscos estratégicos representados pela posição da Rússia no Hemisfério Ocidental.

À primeira vista, a credibilidade da Rússia em implantar capacidades militarmente significativas nesses dois países é duvidosa, como observou o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan; no contexto da mobilização de tropas em larga escala da Rússia em sua fronteira com a Ucrânia e em outros lugares, sua capacidade militar e orçamentária de sustentar simultaneamente uma presença militar significativa no Hemisfério Ocidental é questionável e provavelmente seria contraproducente para suas habilidades militares, econômicas e diplomáticas atingir os objetivos de uma operação militar na Europa. O gesto atual da Rússia não é, no entanto, a primeira vez na era pós-Guerra Fria que o país procurou usar ameaças militares na América Latina quando desafiado em seu exterior próximo. Em 2008, durante o conflito sobre os separatistas apoiados pela Rússia na Geórgia, a Rússia primeiro enviou bombardeiros com capacidade nuclear Tu-160 para a Venezuela, seguidos por quatro navios de guerra. A Rússia enviou seus bombardeiros Tu-160 de volta à região novamente em 2013, quando os Estados Unidos e a União Europeia (UE) pressionaram o país por seu apoio às forças separatistas na Ucrânia, e pela terceira vez em 2018. De fato, durante o último desdobramento, o governo russo declarou sua intenção de estabelecer uma base aérea na pequena ilha La Orchilla, na Venezuela.

Mesmo que a ameaça de implantação militar mais recente da Rússia não seja crível, o país continua sendo uma potência armada nuclear com a capacidade de representar uma ameaça estratégica real, embora limitada, para os Estados Unidos operando neste hemisfério. Nos últimos anos, a Rússia deixou um impacto estratégico na América Latina e no Caribe muito além de seus recursos limitados e capacidade de projeção de poder militar convencional. Ela fez isso por meio de uma combinação de ameaças seletivas, atividades militares e comerciais e operações de guerra de informação, todas alavancando principalmente uma coalizão de regimes anti-EUA dispostos na região.

Nos últimos seis anos, a relativa fraqueza da esquerda da América Latina, juntamente com os baixos preços do petróleo que limitaram a capacidade da Rússia de projetar poder sustentado no Hemisfério Ocidental, ocultaram o desafio do engajamento russo. Esses fatores limitantes, no entanto, estão se desgastando. O presente artigo examina o desafio para os Estados Unidos e a região apresentado pelas atividades russas na América Latina, particularmente no contexto do efeito complementar de outros atores extra-hemisféricos, como China e Irã, bem como a virada sem precedentes da região para a esquerda e o autoritarismo populista.

Fundamentos dos laços estratégicos da Rússia na região

A capacidade contemporânea da Rússia de projetar uma presença na América Latina e no Caribe é uma função de vários fatores interdependentes: (1) regimes populistas anti-EUA dispostos a trabalhar com ela; (2) o papel facilitador do dinheiro chinês; (3) o legado das forças armadas russas da Guerra Fria e outros laços com a região; (4) indústrias-chave nas quais a atividade e o investimento russos oferecem algum valor à região, incluindo as indústrias militar, nuclear, espacial e petrolífera, bem como suas compras agrícolas; e (5) as capacidades de guerra de informação da Rússia.

Regimes Anti-EUA. As relações e os pontos de entrada da Rússia na América Latina são mais limitados do que os do maior rival geopolítico dos EUA, a República Popular da China (RPC). Um número limitado de regimes anti-EUA populistas e autoritários estão dispostos a cooperar com as ações mais provocativas da Rússia no hemisfério. Atualmente, esses regimes incluem Cuba, Venezuela e Nicarágua, embora outros governos, particularmente os regimes populistas e de esquerda, estejam dispostos a trabalhar com a Rússia de maneira menos provocativa.

Na história recente, quando a Rússia procurou enviar força militar para a região para compensar as pressões internacionais contra as ações dos EUA em seu próprio exterior – na Geórgia em 2008 e mais tarde na Ucrânia em 2013-2014 – a cooperação de forças de regimes anti-EUA na América Latina foi fundamental para o sucesso da Rússia. Isso foi verdade quando a Rússia enviou bombardeiros Tu-160 com capacidade nuclear para a região em 2008, seguidos por uma flotilha de navios de guerra, incluindo o cruzador nuclear russo Pedro, o Grande.

Dinheiro chinês como fator facilitador. A economia da Rússia, com um produto interno bruto de US$ 1,48 trilhão, é apenas um décimo do tamanho do PIB de US$ 14,7 trilhões da China. Além disso, a economia da Rússia é muito menos diversificada e mais dependente das receitas das exportações de petróleo, que estão sujeitas a flutuações significativas. Da mesma forma, a capacidade da Rússia de fornecer quantidades significativas de equipamentos militares ou financiar outros projetos a crédito a parceiros na região por um período prolongado é limitada. De fato, durante as últimas duas décadas, a RPC desempenhou um papel muito mais importante do que a Rússia como fonte de recursos para regimes populistas à medida que esses regimes consolidaram o poder. A China fez isso fornecendo empréstimos, fazendo investimentos e comprando commodities. De fato, a RPC fez pelo menos US$ 62,2 bilhões em empréstimos à Venezuela, US$ 18,4 bilhões ao Equador e US$ 17,1 bilhões à Argentina, além de outros bilhões para compras de petróleo e outras commodities desses regimes. O dinheiro da RPC também contribuiu indiretamente para a sobrevivência do regime, ajudando a viabilizar as doações de petróleo do governo venezuelano para Cuba e sua provisão de fundos para a Nicarágua via ALBANISA. Esse capital ajudou a tornar esses regimes suficientemente solventes e politicamente estáveis para se engajar em formas provocativas de cooperação com a Rússia formas de cooperação que a China, devido aos seus maiores níveis de interdependência econômica com a região e o Ocidente, preferiria evitar.

Relações Históricas. As interações militares e políticas da Rússia na região durante a Guerra Fria permitiram ao país construir relacionamentos na região, bem como conhecimento especializado para apoiar seu atual reengajamento. Isso inclui alguns oficiais militares latino-americanos mais velhos e líderes políticos que treinaram na Rússia ou foram educados em instituições russas, como a Universidade Patrice Lumumba. As bases históricas que a Rússia constrói na região também incluem equipamentos militares russos em países que vão desde Cuba e Nicarágua até Peru e Colômbia, que sem dúvida criam uma base para o engajamento militar russo hoje, incluindo contratos para manutenção e reforma desses equipamentos e venda de novos equipamentos aos militares que estão acostumados com a geração mais velha. De fato, existem mais de 400 helicópteros militares russos na América Latina e 42% das vendas de novos helicópteros militares na região são russos.

Indústrias-chave. Embora os recursos e a competitividade das indústrias russas sejam insignificantes em comparação com os da RPC, as capacidades russas em áreas selecionadas criam uma alavanca para um engajamento político mais amplo. Conforme observado anteriormente, a indústria militar russa e suas organizações de suporte associadas, Rosboronexport Rostec, criam a base para o engajamento por meio de vendas de armas e serviços de suporte com regimes anti-EUA e com equipamentos legados ou produtos de capacidade média. No entanto, a reputação relativamente ruim de serviço da Rosboronexport, a dependência frequente da Rússia de equipamentos remanufaturados desatualizados e a capacidade limitada do Estado russo de fornecer grandes quantidades de bens militares a crédito, entre outros itens, permitiram que as empresas baseadas na RPC comessem a fatia da Rússia no mercado de produtos militares. Exemplos incluem as incursões chinesas na venda de mercadorias para os militares venezuelanos, um mercado anteriormente dominado pela Rosboronexport. Eles também incluem uma vitória da chinesa Norinco sobre sua rival russa no Peru pela venda de um lançador de foguetes montado em caminhão para substituir um sistema russo mais antigo.

Além de itens militares, a empresa da indústria nuclear da Rússia, Rosatom, tornou-se um importante fornecedor de armas a regimes anti-EUA que desejam energia nuclear ou capacidades de pesquisa por meio de empresas menos sujeitas à influência dos governos ocidentais. Empreendimentos recentes incluem a construção de um reator de pesquisa pela Rosatom em El Alto, Bolívia, e a recente manifestação de interesse do governo argentino na construção de dois reatores nucleares pela Rússia naquele país.

A indústria espacial da Rússia tem sido mais uma ferramenta de engajamento na região. Sua principal oferta nesse sentido é sua arquitetura de satélite GLONASS. Atualmente, a Rússia tem vários usuários latino-americanos para GLONASS, incluindo estações terrestres no Brasil e na Nicarágua.

No setor de petróleo, a empresa russa Rosneft, com seu chefe Igor Sechin, colega da comunidade de inteligência de Vladimir Putin, tem sido um importante veículo para o engajamento russo na Venezuela, entre outros países produtores de petróleo. Outras empresas petrolíferas russas, incluindo Gazprom, Lukoil e TNK, também têm atuado na região, com projetos na Bolívia, Equador e Colômbia, embora sejam mais comercialmente orientados.

No setor de mineração, a Russia Aluminium Corporation (Rusal) esteve presente na Guiana e na Jamaica, embora as dificuldades econômicas da Rusal e o preço internacional deprimido da bauxita tenham levado a empresa a vender sua fábrica Alpart na Jamaica para a chinesa JISCO em 2016. Além disso, a Rusoro teve um papel na indústria de ouro da Venezuela, enquanto outras empresas russas exploraram um papel na indústria de níquel de Cuba.

Finalmente, a Rússia tem sido um importante comprador agrícola, incluindo a compra de carne de fornecedores sul-americanos, como Argentina, Brasil e Paraguai, criando algumas incursões positivas com governos que não são necessariamente anti-EUA.

Capacidades de Guerra de Informação. Nos últimos anos, a experiência russa da Guerra Fria com propaganda, enraizada nas doutrinas russas de “controle reflexivo”, evoluiu através da mídia moderna e das capacidades de mídia social para dar à Rússia uma capacidade sofisticada de impactar a opinião pública e as percepções na região. Esses esforços incluem a mídia russa aberta, como Sputnik Russia Today, bem como esforços de mídia social por meio de plataformas como TwitterFacebook e WhatsApp. O alto nível de desconfiança na região em relação ao discurso governamental e à mídia tradicional tornou a América Latina e o Caribe particularmente vulneráveis a tais iniciativas.

A Rússia usou essa capacidade não tanto para criar uma opinião favorável à Rússia, mas para fomentar a instabilidade e minar regimes alinhados com o Ocidente. Tanto o governo colombiano quanto o chileno acusaram os agentes russos de mídia social de contribuirem para a radicalização dos protestos em seus países.

Atores-chave

Venezuela: Conforme destacado pela ameaça russa de janeiro de 2022 de enviar forças militares para a Venezuela, a posição da Rússia na Venezuela está sem dúvida entre as maiores e mais estrategicamente significativas de suas posições na região.

Os dois eixos principais da relação Rússia-Venezuela têm sido, sem dúvida, a venda de armas e o petróleo.

Com relação às armas, de 2006 até a morte de Hugo Chávez, em 2013, a Rússia vendeu mais de US$ 11 bilhões em armas para a Venezuela, incluindo tanques T-72, veículos blindados BMP-3 e BTR-80, caças Su-30, Mi-17 e helicópteros Mi-35, e outros itens militares finais, tornando a Venezuela, de longe, o maior parceiro militar da Rússia na região.

A Venezuela sob Hugo Chávez e seu sucessor Nicolás Maduro também se tornou um dos aliados mais confiáveis da Rússia para projetar força na região, com o país recebendo, como observado anteriormente, dois bombardeiros russos Tu-160 Backfire e navios de guerra em 2008, e mais visitas de Tu -160 em 2013 e 2018. A Rússia e a Venezuela também concordaram em estabelecer uma fábrica de fuzis na Venezuela, embora o projeto tenha sofrido atrasos significativos devido à corrupção e outros problemas.

À medida que a crise política e fiscal do regime venezuelano se aprofundava e sua capacidade de pagar suas contas diminuía, o engajamento militar da Rússia passou da compra de novos itens finais para manutenção, atualizações, treinamento e outros tipos de apoio. As implantações russas periódicas no país incluíram suporte para equipamentos militares e sistemas de defesa aérea da Venezuela comprados pela Rússia e mercenários do Wagner Group, que não apenas forneceram segurança ao presidente Maduro, mas possivelmente também forneceram proteção às operações comerciais russas no perigoso interior da Venezuela.

No setor de petróleo, embora praticamente todas as empresas petrolíferas russas tenham buscado posições no país durante a era Hugo Chávez, incluindo Gazprom, TNK, Lukoil e Surgutneftegas, problemas no setor acabaram levando todas a desistir, vendendo ativos para a empresa de Igor Sechin, a Rosneft. O erro de cálculo de Sechin, quando a economia venezuelana entrou em colapso sob Nicolás Maduro, sobrecarregou a Rosneft com pelo menos US$ 4,8 bilhões em dívidas não pagas, que o governo venezuelano acabou pagando por meio de entregas de petróleo. Embora a Rússia continue comprando petróleo venezuelano, e Sechin supostamente desempenhe um papel no envolvimento contínuo da Rússia com o regime de Maduro, a Rosneft não fez novos investimentos significativos no país.

Nicarágua. A Nicarágua é um dos principais parceiros da Rússia na região, com o relacionamento centrado no vínculo com o líder Daniel Ortega e o movimento sandinista (FSLN), que a União Soviética armou e ajudou a levar ao poder em 1979. Daniel Ortega reacendeu o relacionamento quando ele voltou ao cargo por meio de eleições em 2007, e seu governo foi o primeiro na região a reconhecer diplomaticamente os territórios da Ossétia do Sul e da Abecásia, apoiados pela Rússia, quando eles se separaram da República da Geórgia em 2008. Nos 14 anos seguintes, o apoio russo ao regime de Ortega cresceu de doações de ônibus e alimentos para helicópteros Mi-17, caças Yak-130, aeronaves de transporte médio An-26, carros blindados TIGR, tanques T-72, canhões antiaéreos ZU-23 e um uma variedade de veículos blindados russos mais antigos, bem como embarcações de patrulha Mizrah e barcos de mísseis Molina. A cooperação russa também incluiu a criação de uma instalação de downlink para o sistema de satélite russo GLONASS, inaugurado em 2017, e uma instalação de treinamento regional russa em Manágua para a organização russa de combate às drogas FSKN. A instalação da FSKN na Nicarágua oferece aos agentes russos a oportunidade de interagir com policiais de toda a América Central que normalmente não enviariam oficiais à Rússia para treinamento.

Assim como Venezuela e Cuba, a Nicarágua desempenhou um papel fundamental ao receber visitas de forças militares russas durante os principais momentos de tensão russa com o Ocidente no tocante a Geórgia e Ucrânia. Estes incluem receber dois bombardeiros Tu-160 Backfire e dois navios de guerra russos em 2013. Nesse mesmo ano, o Congresso da Nicarágua autorizou navios da marinha russa a patrulharem as águas da Nicarágua. A decisão causou consternação na Colômbia, já que a oferta russa teria colocado embarcações militares russas nas proximidades da ilha colombiana de San Andrés, cujas águas territoriais circundantes os colombianos perderam em uma decisão surpreendente da Corte Internacional de Justiça.

Quando o bilionário chinês Wang Jing propôs um canal financiado pela China na Nicarágua, a Rússia manifestou interesse em participar do projeto, uma perspectiva reaberta pelo reconhecimento da RPC pela Nicarágua em dezembro de 2021.

Cuba. O envolvimento militar russo e as vendas de armas para Cuba foram limitados desde o corte abrupto da ajuda russa em 1993, após o colapso da União Soviética. No entanto, as empresas russas têm um papel limitado nas atividades do setor petrolífero cubano, na mineração de níquel e no setor de transporte. A Rússia enviou mil micro-ônibus e 50 trens para Cuba e vende carros Lada e caminhões Kamaz para a ilha, entre outros bens.

PeruA Rússia tem uma relação especial com os militares peruanos, e particularmente com seu exército, desde a presidência de Juan Velasco Alvarado (1968-1975), um general de esquerda que tomou o poder em um golpe de Estado e mais tarde comprou um grande carregamento de Armas soviéticas inicialmente destinadas ao governo chileno de Salvador Allende. As armas peruanas de geração mais antiga incluíam helicópteros Mi-8, Mi-24 e, posteriormente, Mi-17, e tanques T-55. O Peru também comprou caças-bombardeiros Su-22 e aeronaves de asa fixa Su-25 da União Soviética no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, que o país mais tarde usou contra o Equador durante a Guerra Cenepa de 1995.

As compras de armas da Rússia continuaram sob o governo de direita do presidente Alberto Fujimori com a aquisição de caças MiG-29 por seu regime. Da mesma forma, o presidente de centro-direita Alan Garcia assinou um acordo com a Rússia em 2008 expandindo a cooperação militar, seguido por um acordo de 2011 renovando o treinamento de militares peruanos em instituições russas. Quando o Peru buscou renovar sua frota de helicópteros na década de 2010 para expandir a mobilidade aérea em áreas remotas, voltou-se para a Rússia, adquirindo duas dúzias de Mi-17 e Mi-35, entre outros itens. O governo russo ainda tem influência entre altos funcionários do Exército peruano que passaram algum tempo na Rússia para treinamento e educação militar profissional.

No contexto de instabilidade política no Peru, a recente posse de um presidente relativamente inexperiente da província de Cajamarca, Pedro Castillo, apoiado pelo médico marxista formado em Cuba Vladimir Cerrón, levanta a possibilidade de uma maior colaboração peruana com a Rússia em assuntos militares e outros .

Argentina. O papel da Rússia como compradora de grãos e carne bovina da Argentina abriu uma porta na relação entre os dois países, mesmo sob governos de centro-direita e militares. A ala esquerda do movimento peronista na Argentina, incluindo a ex-presidente e atual vice-presidente Christina Fernández de Kirchner, manteve relações militares com a Rússia. A Argentina contemplou a compra de caças russos em 2015 e novamente em 2021, incluindo MiG-29 e Su-30. No entanto, ainda tem que consumar um grande negócio de armas.

No domínio comercial, embora as empresas russas tenham demonstrado interesse na compra de ativos petrolíferos argentinos da empresa espanhola Repsol YPF, projetos de energia nuclear argentina e construção (obra da Interrao na usina hidrelétrica de Chihuido I), a Rússia tem consistentemente obtido sucesso limitado na Argentina em comparação com os chineses.

Outros. Além dos parceiros latino-americanos mencionados nesta seção como engajados com a Rússia, a virada da região para a esquerda cria oportunidades adicionais significativas para a Rússia tanto em cooperação de segurança quanto em empreendimentos comerciais. Esses parceiros potencialmente incluem o Partido Libre do presidente eleito Xiomara Castro em Honduras e o presidente Gabriel Boric no Chile, com sua dependência do Partido Comunista chileno como parte de sua coalizão de governo. De fato, sob o governo anterior de centro-esquerda de Michelle Bachelet, cuja coalizão era menos radical que a de Boric, o Chile já explorava a cooperação de defesa com a Rússia de forma limitada.

Na Bolívia, o governo MAS de Luis Arce é outro candidato a aprofundar a cooperação com a Rússia, principalmente devido ao histórico de colaboração da russa Gazprom no setor de gás e petróleo, Rosatom com o projeto de reator de pesquisa nuclear da Bolívia em El Alto e o interesse anterior da nação durante a presidência de Evo Morales na aquisição de helicópteros de transporte russos, bem como um russo An-124 como aeronave presidencial.

Atualmente conservadora, a Colômbia alinhada aos EUA é candidata a um envolvimento russo expandido, principalmente se o ex-guerrilheiro do M-19 Gustavo Petro ganhar a presidência nas eleições de maio de 2022 no país. A Colômbia tem um pequeno número de helicópteros russos Mi-17, adquiridos sob o presidente Ernesto Samper, e a empresa russa Lukoil já trabalhou no setor de petróleo do país.

No Brasil, se Luiz Inácio Lula da Silva for eleito presidente em outubro de 2022, é provável que o país retorne ao mesmo namoro da Rússia, entre outros atores, vistos durante o governo Lula anterior, quando o setor de defesa do Brasil adquiriu o helicóptero de ataque Mi- 35 e estava contemplando a aquisição do sistema de defesa aérea russo Pantsir S-1. De fato, sob a sucessora de esquerda de Lula, Dilma Rousseff, o Brasil passou a adquirir mísseis de defesa aérea russos Igla-S, apesar do conservadorismo dos militares brasileiros e da competição entre a indústria de defesa doméstica do Brasil e da Rússia.

Recomendações

O curso apropriado para os Estados Unidos enfrentarem o desafio apresentado pelo envolvimento russo na região é muito diferente da resposta adequada ao envolvimento mais comercial da região com a RPC, embora existam alguns elementos comuns.

Conforme destacado pelos desdobramentos militares periódicos da Rússia na região desde 2008 e sua atual ameaça de implantar forças militares em Cuba ou na Venezuela, a postura da Rússia na região é muito mais direta e deliberadamente ameaçadora para os EUA do que a China. De fato, suas ações no domínio militar ameaçam não apenas os Estados Unidos, mas também outros atores da região, como a Colômbia. Além disso, o apelo da Rússia como potencial investidor ou mercado para a região é muito menor do que o apelo similar da China para as elites empresariais e políticas da América Latina. Como tal, é mais apropriado que os Estados Unidos recuem ativamente contra a presença da Rússia na região, quando apropriado.

Atividades como petróleo russo, mineração, construção e outras operações, bem como suas vendas e compras agrícolas para a região, quando feitas de forma transparente e consistente com as leis nacionais e outras, provavelmente não apresentam um impacto estratégico significativo na região além de quaisquer atividades de inteligência russas que possam estar incorporadas neles. Portanto, é provavelmente melhor para os Estados Unidos e seus parceiros aceitar essas atividades comerciais limitadas como legítimas na ausência de razões específicas para recuar.

A economia russa é muito mais vulnerável ao impacto das sanções de indivíduos e empresas dos EUA do que a RPC, particularmente no contexto das enormes despesas que a Rússia está incorrendo para sua implantação na Ucrânia. Da mesma forma, quando apropriado e oportuno, os Estados Unidos devem considerar intensificar o uso de sanções contra aqueles dentro da Rússia, bem como contra seus países parceiros anti-EUA na região para desencorajar atividades que claramente ameaçam a segurança regional.

No domínio militar estratégico, os EUA devem considerar respostas aos avanços russos na América Latina e no próprio exterior da Rússia sem escalar perigosamente a situação, mas deixando claro que a agressão da Rússia na América Latina prejudicará sua segurança, não ganhará concessões dos EUA. Como exemplo, os EUA poderiam responder a destacamentos militares russos na região com destacamentos reforçados de forças norte-americanas nas proximidades da Rússia no exterior e fornecendo sistemas defensivos e outras capacidades para aqueles afetados pela Rússia nessa área.

Os Estados Unidos devem considerar métodos para responder de forma assimétrica à agressão russa na América Latina, trabalhando com parceiros importantes para a Rússia. Os EUA podem procurar maneiras, por exemplo, de pressionar e induzir a RPC a restringir o aventureirismo russo no Hemisfério Ocidental, ou então os EUA tratarão a RPC como parcialmente co-responsável por meio da aliança informal que está buscando com a Rússia globalmente.

No setor de energia, os Estados Unidos devem explorar maneiras de impactar potencialmente a Rússia, bem como outros atores ameaçadores, trabalhando ativamente com países e empresas fornecedores para aumentar as fontes não russas de produção de energia. Isso diminuiria os preços internacionais do petróleo, colocando em risco a principal fonte de financiamento internacional da Rússia e tornando mais difícil para o país prosseguir com sua política externa provocativa.

No final das contas, os Estados Unidos também devem reconhecer que a atual guinada à esquerda e o populismo autoritário na América Latina e no Caribe não apenas abrem as portas para os russos, mas também limitam a influência dos Estados Unidos na cooperação bilateral de segurança e fóruns multilaterais para aplicar pressão contra Estados que estão se envolvendo com a Rússia de maneiras estrategicamente ameaçadoras.

No entanto, embora essa virada para a esquerda e em direção ao populismo possa dificultar a coordenação com os governos do hemisfério, a objetividade da ameaça militar que a Rússia representa pode apresentar opções não tão prontamente presentes com o envolvimento chinês na região para reunir países democráticos e razoáveis (incluindo aqueles não alinhados ideologicamente com os Estados Unidos) contra o perigo para a estabilidade hemisférica representado pelo comportamento russo.

Os EUA, apesar de suas dificuldades em suas relações com a região, estão vinculados a ela por laços de geografia, comércio, história e família, dando-lhe tanto alguma influência residual quanto experiência com a região. Se os Estados Unidos não resistirem às ameaças russas à segurança regional na América Latina, não está claro onde os EUA podem traçar a linha para defender sua própria segurança e a de seus vizinhos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Barra Velha - SC Atualizado às 18h53 - Fonte: ClimaTempo
20°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 24°

Dom 23°C 17°C
Seg 18°C 13°C
Ter 17°C 11°C
Qua 19°C 13°C
Qui 20°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias