Terça, 07 de Dezembro de 2021
25°

Poucas nuvens

Barra Velha - SC

Dólar
R$ 5,65
Euro
R$ 6,35
Peso Arg.
R$ 0,06
Mundo INT-OMS/Covid19

COVID-19 NO MUNDO

OMS adverte estarmos entrando na 4ª onda...

23/11/2021 às 19h46
Por: Rui Candeias Fonte: rc-g.lopes-ro
Compartilhe:
COVID-19 NO MUNDO

COVID-19 NO MUNDO

OMS adverte estarmos entrando na 4ª onda...

rc-g.lopes-ro -23.11.21

INT-OMS/Covid19

 

A brasileira Mariângela Simão diretora-geral adjunta da OMS, falou em um Congresso que a imunização reduz as hospitalizações, mas não interrompe a transmissão...

A pandemia de covid-19 pode estar chegando a 4ª onda. Essa foi a avaliação da diretora-geral adjunta da Organização Mundial da Saúde (OMS), a brasileira Mariângela Simão.

Ela abordou a situação da pandemia em uma conferência do Congresso Brasileiro de Epidemiologia na segunda-feira 22.

“Estamos vendo a ressurgência de casos de covid-19 na Europa. Tivemos nas últimas 24 horas mais de 440 mil novos casos confirmados. E isso que há subnotificação em vários continentes. O mundo está entrando em uma 4ª onda, mas as regiões têm tido um comportamento diferente em relação à pandemia”, declarou a diretora da OMS.

Segundo ela, o vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis. Mas em razão da vacinação houve uma dissociação entre casos e mortes, pelo fato de a imunização ter reduzido os óbitos decorrentes da doença.

Ela lembrou que a imunização reduz as hospitalizações, mas não interrompe a transmissão.

A diretora avaliou que os novos picos na Europa se devem à abertura e flexibilização das medidas de distanciamento no verão, além do uso inconsistente de medidas de prevenção em países e regiões.

“O aumento da cobertura vacinal não influencia na higiene pessoal, mas tem associação com diminuição do uso de máscaras e distanciamento social”, pontuou a diretora-geral adjunta da OMS.

Desigualdade no acesso às vacinas

Um problema grave, acrescentou, é a desigualdade no acesso às vacinas no mundo. “Foram aplicadas mais de 7,5 bilhões de doses. Em países de baixa renda, há menos de 5% das pessoas com pelo menos uma dose”, disse.

“As farmacêuticas fizeram acordos bilaterais com países de alta renda e não privilegiaram aqueles de baixa renda para fornecer vacinas”, analisou.

Mariângela Simão considera que o futuro da pandemia depende de uma série de fatores.

O primeiro é a imunidade populacional, resultante da vacinação e da imunização natural. O segundo é o acesso a medicamentos. O terceiro é como irão se comportar as variantes de preocupação e do quão transmissíveis elas serão.

Américas e Brasil

Ao avaliar a situação das Américas e do Brasil, Mariângela Simão afirmou que a região vem tendo um comportamento de transmissão comunitária continuada, com ondas repetidas.

Quanto ao Brasil, ela avaliou que o programa de vacinação está andando bem. Mas, a partir da situação na Europa, se mostrou receosa com o futuro da pandemia no Brasil pelas discussões em curso sobre o carnaval.

“Me preocupa quando vejo no Brasil a discussão sobre o Carnaval. É uma condição extremamente propícia para aumento da transmissão comunitária. Precisamos planejar as ações para 2022”, alertou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
OMS e Saúde Mundial
OMS e Saúde Mundial
Sobre
Barra Velha - SC Atualizado às 12h18 - Fonte: ClimaTempo
25°
Poucas nuvens

Mín. 19° Máx. 25°

Qua 26°C 17°C
Qui 26°C 16°C
Sex 28°C 17°C
Sáb 30°C 18°C
Dom 31°C 18°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias