Domingo, 05 de Julho de 2020 23:24
C Verde CPLP - MÚSICA

MÚSICA DE CABO VERDE E GUINÉ BISSAU SEM PATERNALISMO

O PROJETO BANDÉ-GAMBOA JUNTA DUAS BANDAS DA GUINÉ-BISSAU E CABO VERDE

07/06/2020 20h32
191
Por: Rui Candeias Fonte: rc – lusa
MÚSICA DE CABO VERDE E GUINÉ BISSAU SEM PATERNALISMO

MÚSICA DE CABO VERDE E GUINÉ BISSAU SEM PATERNALISMO

O PROJETO BANDÉ-GAMBOA JUNTA DUAS BANDAS DA GUINÉ-BISSAU E CABO VERDE

rc – lusa © getty images - 07.06.20

CPLP - MÚSICA

Com a chancela da editora francesa Heavenly Sweetness, o projeto criou dois grupos "all-star" - um de Cabo Verde, outro da Guiné-Bissau - com músicos novos e velhos que recriaram canções antigas, navegando na contracorrente da maioria dos trabalhos hoje feitos no Ocidente, com editoras fixadas na sonoridade dos anos 70 do continente africano, contou à agência Lusa o produtor do projeto Bandé-Gamboa, Francisco "Fininho" Sousa.

No livro que acompanha o álbum, o também DJ português explica que, após 20 anos de uma "procura obsessiva" por vinis e CD africanos, encontrou "três aspetos cruciais" nas edições contemporâneas e "revivalistas" da música de África: os discos raramente são comprados por africanos ou afrodescendentes; a dimensão da cultura africana fica reduzida a gêneros como reggae, soul, funk ou rock psicadélico; e os compradores focam-se numa "determinada estética 'old school' que transformou uma fase musical arbitrária no padrão atual da música africana no Ocidente".

Tendo isso em conta, quando Francisco Sousa foi abordado pelo responsável da Heavenly Sweetness, o produtor francês Guts, para fazer uma compilação, propôs-lhe fazer algo que fosse contra a norma: "um projeto que fosse um murro na mesa".

Depois da luz verde da editora, decidiu avançar com a criação de duas bandas, uma de músicos cabo-verdianos e outra de músicos guineenses a viver em Lisboa, para recriarem canções antigas dos dois países, com objetivos distintos.

No caso da Guiné-Bissau, procurou fazer-se "versões frescas e contemporâneas" do gumbé, estilo pouco conhecido fora do país e que foi sendo gravado "por muitos artistas e com ideias bastantes diferentes do que ele deve ser".

Já em Cabo Verde, decidiu testar-se a versatilidade do funaná e os seus limites, que não tem os problemas de identidade nem falta de reconhecimento internacional do gumbé,

Chegando ao estúdio, Francisco Sousa fez algo "que os produtores na Europa têm muita dificuldade em fazer: Transferir muito mais o poder para os músicos e mudar de uma postura quase hierárquica para uma postura muito mais de observador".

"Trabalhar num contexto pós-colonial, numa antiga capital de um império colonial, com a diáspora dos países que foram colonizados é complicado e obriga a ler para não trocar os pés pelas mãos. A mim, só me restou criar um ambiente convidativo para os músicos trazerem as suas ideias para estúdio e, depois, de uma forma suave, escolher ou direcionar", contou à Lusa Francisco.

Apesar de reconhecer o serviço positivo que editoras ocidentais tiveram na redescoberta de música dos anos 60, 70 e 80, de África, Francisco Sousa realça que, por vezes, algumas dessas compilações têm um olhar algo paternalista, pintado por "um imaginário tropical exótico que é tóxico".

O consumo da música africana no ocidente está tão enraizado nos anos 70 que, até a mostrar o projeto Bandé-Gamboa a conhecidos, algumas pessoas não conseguiram ultrapassar o facto de as canções não terem o "grão" e o filtro estético daquele tempo.

"Dizem que está limpinho demais", recordou.

Para o produtor do projeto, as editoras, ao focarem-se nas franjas com influências ocidentais, perdem uma oportunidade de "trazer novos fragmentos de cultura cá para fora".

Além disso, Francisco Sousa considera que as editoras devem pensar sobretudo "que não estão a salvar ninguém".

"Estas bandas tiveram o seu público, venderam os seus discos, muitas delas fizeram muito dinheiro, outras nem por isso.

Nesse sentido, o projeto Bandé-Gamboa não surge dessa ideia de salvar uma banda ou de a revelar ao mundo, mas antes numa ética de partilha - "não mais do que isso".

Ao mesmo tempo, há o desafio de tentar agradar ao público dos dois continentes, até porque reeditar bandas antigas africanas não interessa aos jovens desses países.

Hoje, reeditar na Guiné-Bissau os Super Mama Djombo, banda de discos raros e muito procurados no Ocidente, seria como reeditar os Pink Floyd para uma geração americana jovem: "É lindo, mas estão a ouvir outras coisas".

"É de louvar essa ideia do Francisco", disse à Lusa Juvenal Cabral, dos Tabanka Jazz e diretor artístico da banda guineense do Bandé-Gamboa.

O baixista compreende "a ideia das editoras ocidentais em pegar nas coisas gravadas nos anos 70", porque para o público europeu e americano "é algo novo".

"Mas para nós, africanos, é algo que estamos cansados de ouvir. Não há novidade nenhuma", notou, frisando que, com este projeto, mesmo repescando músicas antigas, há "uma lufada de ar fresco".

Na parte do disco dedicado à Guiné-Bissau, aproveitou-se para recuperar também algumas músicas gravadas na Rádio Nacional deste país, em gravações "muito rudimentares" e retrabalhá-las, com novos arranjos.

"Foi um processo muito gratificante. Deu-me muito prazer fazer este trabalho", afirmou Juvenal Cabral, esperando que o projeto permita também um maior reconhecimento internacional do gumbé, o estilo que reflete o mosaico de um país com menos de dois milhões de habitantes, mas com mais de 30 etnias.

O diretor musical da banda cabo-verdiana do projeto, Lúcio Vieira, também se congratulou com a ideia, tendo aceitado o convite de Francisco sem hesitar, ainda para mais quando a proposta era testar os limites do funaná.

"Eu cheguei em 1984 a Portugal e já ouvia muita fusão. Vinha com uma ideia muito avançada e, quando cheguei, se fizesse uma malha 'fora da caixa' levava logo na cabeça", recorda, salientando que o disco foi uma oportunidade de mostrar o que gosta mesmo de fazer: experimentar e inovar.

"É uma ideia refrescante. É uma forma também desse projeto abrir a cabeça de outras pessoas que vão ouvir e saberem que há inovação para além da tradição, podemos fazer outras coisas, sem magoar o que já é feito pelos nossos mais velhos", vincou Lúcio Vieira.

O disco, que é lançado a 12 de junho em formato físico e digital, conta com seis temas para cada país, sendo também uma homenagem a Amílcar Cabral, cofundador do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde e um dos maiores símbolos da luta pela independência dos dois países.

A banda da Guiné-Bissau, dirigida por Juvenal Cabral, é composta por Eric Daró, Iragrett Tavares e Micas Cabral, nas vozes, Calú Ferreira (teclado), Eliseu Imbana e Sidia Baio, nas guitarras, Toni Bat (bateria), Ernesto da Silva (percussão) e Elmano Coelho (saxofone).

Da formação cabo-verdiana, dirigida por baixista Lúcio Vieira, fazem parte Celso Évora, Débora Paris e Kinha Andrade, nas vozes, Daya Neves (teclado), Ivan Gomes (guitarra), Cau Paris (bateria), Djair de Pina (percussão) e Elmano Coelho (saxofone).

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Barra Velha - SC
Atualizado às 23h12 - Fonte: Climatempo
18°
Muitas nuvens

Mín. 14° Máx. 23°

18° Sensação
3 km/h Vento
72.7% Umidade do ar
90% (25mm) Chance de chuva
Amanhã (06/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 19°

Sol com muitas nuvens e chuva
Terça (07/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 19°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias