Domingo, 05 de Julho de 2020 23:15
Brasil BRA/PR - ATO

BOLSONARO CITOU ABUSO DE AUTORIDADE EM POSTAGEM DE HOJE

APÓS DIVULGAÇÃO INTEGRAL DO VÍDEO DA REUNIÃO MINISTERIAL, ASSISTIU ATO EM BRASÍLIA

24/05/2020 19h44
279
Por: Rui Candeias Fonte: rc – joão c. kneinn – yn – evaristo sa – afp
BOLSONARO CITOU ABUSO DE AUTORIDADE EM POSTAGEM DE HOJE

 

BOLSONARO CITOU ABUSO DE AUTORIDADE EM POSTAGEM DE HOJE

APÓS DIVULGAÇÃO INTEGRAL DO VÍDEO DA REUNIÃO MINISTERIAL, ASSISTIU ATO EM BRASÍLIA

rc – joão c. kneinn – yn – evaristo sa – afp – 24.05.20

BRA/PR - ATO

O Presidente Jair Bolsonaro fez uma postagem na manhã deste domingo (24), a respeito da nova lei que trata sobre abuso de autoridade, sancionada por ele em setembro do ano passado após tramitação no Congresso.

No Facebook, o presidente destacou o artigo 28 da Lei 13.869/2019 discorrendo sobre o abuso de autoridade ao “divulgar gravação ou trecho de gravação sem relação com a prova que se pretenda produzir, expondo a intimidade ou a vida privada ou ferindo a honra ou a imagem do investigado ou acusado”.

A infração ao artigo, conforme prevê a lei, seria punida com pena detenção, de 1 a 4 anos, e multa.

Logo após as postagens, o presidente deixou o Palácio da Alvorada de helicóptero, desembarcou na Vice-Presidência e chegou à praça dos Três Poderes, em Brasília, onde ocorreu uma manifestação em defesa do governo. 

Desta vez o Presidente não desceu a rampa do palácio, como em outros atos. 

Os manifestantes portavam faixas contra o Congresso e o Judiciário. 

Cercado de seguranças, o presidente estava acompanhado do ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e do deputado federal Hélio Lopes

Entenda

A postagem de Bolsonaro acontece após a divulgação na íntegra do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de Abril.

O encontro ministerial foi gravado e o vídeo foi tornado público nesta sexta (23) por decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello. Ele determinou que trechos que envolvam menções a outros países fossem mantidos em sigilo, então o vídeo dura pouco mais que os 115 minutos, ou 1 hora e 55 minutos, disponíveis.

A decisão de liberar o vídeo integra o inquérito em curso no Supremo que apura se Bolsonaro tentou intervir ou interveio politicamente na PF (Polícia Federal), como acusou o ex-ministro Sérgio Moro, ao deixar o governo. Antes da divulgação, a PGR (Procuradoria-Geral da República) tinha pedido que Celso de Mello divulgasse apenas os trechos do vídeo que citavam a Polícia Federal para evitar a antecipação de um clima eleitoral. A AGU (Advocacia-Geral da União) foi mais restrita e pediu a divulgação apenas das falas de Bolsonaro, omitindo a dos demais presentes. Já a defesa de Sergio Moro defendia a divulgação na íntegra, como foi realizada.

 

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
18°
Muitas nuvens

Mín. 14° Máx. 23°

18° Sensação
3 km/h Vento
72.7% Umidade do ar
90% (25mm) Chance de chuva
Amanhã (06/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 19°

Sol com muitas nuvens e chuva
Terça (07/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 19°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias