Sexta, 29 de Maio de 2020 07:27
Países Div USA – VESPAS ASSASSI

VESPAS ASSASSINAS ASIÁTICAS PROVOCAM ALERTA DOS CIENTISTAS NOS EUA

LIBERAM TOXINA LETAL CAPAZ DE MATAR UMA PESSOA MESMO NÃO ALÉRGICA

08/05/2020 20h14 Atualizada há 3 semanas
253
Por: Rui Candeias Fonte: rc - alessandra corrêa - bbc news brasil
VESPAS ASSASSINAS ASIÁTICAS PROVOCAM ALERTA DOS CIENTISTAS NOS EUA

 

VESPAS ASSASSINAS ASIÁTICAS PROVOCAM ALERTA DOS CIENTISTAS NOS EUA

LIBERAM TOXINA LETAL CAPAZ DE MATAR UMA PESSOA MESMO NÃO ALÉRGICA

rc - alessandra corrêa - bbc news brasil – 08.05.20

USA – VESPAS ASSASSINAS

Vespas gigantes têm provocado alarme em diversas regiões dos Estados Unidos.

Elas podem medir mais de 5 cm e são tão letais que receberam de cientistas o apelido de "vespas assassinas". Nativas da Ásia, as chamadas vespas gigantes asiáticas (Vespa mandarinia) foram vistas pela primeira vez nos Estados Unidos em dezembro do ano passado, e sua presença vem provocando alarme entre apicultores e entomologistas americanos.

Capazes de dizimar uma colmeia de abelhas em poucas horas, essas vespas são as maiores do mundo e liberam uma toxina tão potente que pode causar a morte de uma pessoa que tiver levado várias picadas, mesmo se não for alérgica.

"No Japão, entre 30 e 50 pessoas morrem por ano (vítimas de múltiplas picadas da vespa gigante asiática)", disse à BBC News Brasil a bióloga Jenni Cena, do Departamento de Agricultura do Estado de Washington (WSDA, na sigla em inglês).

Sua picada é descrita como extremamente dolorosa, e o ferrão é tão longo que pode penetrar até mesmo o traje de proteção usado por apicultores. Mas, segundo Cena, elas só atacam humanos caso sejam provocadas ou se sintam ameaçadas.

Para a população de abelhas, porém, sua presença pode ser devastadora, com impacto não apenas na produção de mel, mas também nas diversas culturas que dependem da polinização, como maçã, cereja, framboesa, mirtilo e amêndoas.

Diante da ameaça, autoridades, pesquisadores e apicultores da região lançaram um esforço para tentar localizar e erradicar os ninhos dessa espécie invasora antes que ela possa se estabelecer no país e arrasar a população de abelhas, já em declínio por causa de fatores como doenças, uso de pesticidas e perda de habitat.

Mas os cientistas alertam os residentes para que não tentem matar as vespas por conta própria nem tentem remover os ninhos e que, caso encontrem os insetos, entrem em contato com as autoridades.

"Se encontrá-las, corra e nos chame! É realmente importante para nós saber de todas as vezes que forem observadas, se quisermos ter esperança de erradicação", disse o entomologista Chris Looney, também do WSDA.

Abelhas decapitadas

Armadilhas estão sendo espalhadas pelas regiões em que 'vespas assassinas' apareceram

Os cientistas não sabem ao certo como as vespas gigantes asiáticas chegaram aos Estados Unidos. Segundo Cena, o inseto foi inicialmente detectado na província canadense de British Columbia, que faz fronteira com o Estado de Washington, em agosto do ano passado.

"É possível que tenham chegado em um navio de carga", afirma Cena. A bióloga diz que também não está descartada a possibilidade de que tenham sido trazidas deliberadamente, para serem usadas como componente em algum tipo de mistura caseira para aumento de performance.

A presença da invasora no país começou a ser notada quando diferentes apicultores do Estado de Washington relataram terem encontrado milhares de suas abelhas decapitadas. Segundo Cena, o relato inicial, no ano passado, levou à descoberta de duas invasoras. Ainda não se sabe quantas há no Estado no momento.

As vespas gigantes asiáticas chegam a ser três vezes maiores que as abelhas. Elas invadem e ocupam as colmeias, matando as abelhas adultas e devorando as larvas e pupas.

"Com menos de 30 (vespas gigantes), podem dizimar uma colmeia inteira em questão de horas", observa Cena.

Diferentemente de abelhas na Ásia, nos Estados Unidos as abelhas não têm mecanismo de defesa natural contra as vespas gigantes asiáticas.

Segundo os cientistas, o ciclo de vida da invasora começa em abril, quando as rainhas emergem da hibernação e passam a procurar um local para construir seus ninhos e formar suas colônias. O período de julho a outubro (fim do verão e início do outono no Hemisfério Norte) é considerado o melhor para capturá-las.

Identificar, localizar e destruir

Entidade americana pediu que apicultores e moradores comuniquem imediatamente qualquer encontro com 'vespas assassinas' para evitar a propagação delas

Na esperança de conseguir erradicar as vespas gigantes asiáticas antes que se espalhem pelo país, o WSDA está pedindo que apicultores e moradores comuniquem imediatamente qualquer encontro com esses insetos.

O objetivo é identificar as vespas e localizar e destruir os ninhos enquanto a população ainda é pequena, antes que elas se reproduzam de tal maneira que torne impossível a erradicação.

Vários apicultores, cientistas e voluntários participam do esforço, espalhando armadilhas caseiras pela região — já que as armadilhas vendidas em lojas comerciais não puderam ser usadas, porque têm um buraco pequeno demais para a vespa gigante.

O WSDA pede que os residentes enviem imagens, caso consigam tirar uma foto em segurança, para que seja possível confirmar se o inseto encontrado é mesmo a vespa asiática gigante. Os casos suspeitos podem ser comunicados pelo site do WSDA e também por um aplicativo lançado especialmente para isso.

Há planos de rastrear as vespas vivas de volta aos ninhos. Foram encomendados trajes especiais reforçados, vindos da China, para garantir a segurança na hora de destruir os ninhos.

Redes sociais

Presença das vespas gigantes asiáticas causou comoção nas redes sociais e chegou a ficar entre assuntos mais comentados do Twitter nos EUA

A notícia sobre a presença das vespas gigantes asiáticas nos Estados Unidos provocou comoção nas redes sociais.

No fim de semana, depois que o jornal The New York Times publicou uma matéria sobre os esforços para tentar erradicar as invasoras, o termo "vespas assassinas" estava entre os trending topics no Twitter.

Em meio à pandemia de covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, que até segunda-feira (04/05) já havia infectado mais de 1,2 milhão de pessoas e deixado mais de 70 mil mortos no país, muitos americanos reagiram com incredulidade diante de mais uma "praga" em 2020.

"Outro dia eu estava pensando: 'Sabe do que 2020 precisa? Vespas assassinas.'. Elas finalmente estão aqui!", tuitou um internauta, resumindo um sentimento expressado por milhares de outros americanos nas redes sociais.

No Japão, vespa gigante assassina é uma ameaça letal, mas também uma iguaria culinária

Muito antes de começar a aterrorizar as abelhas do estado de Washington, nos EUA, a vespa gigante assassina já era apreciada pelos japoneses como iguaria culinária, seja como um lanche, por sua crocância entorpecente, ou pelo toque venenoso e revigorante que dão a bebidas alcoólicas. É o que lembra uma reportagem do "New York Times", publicada nesta segunda-feira.

O inseto, assim como outras variedades de vespas, é tradicionalmente considerado comestível na região central de Chubu, no Japão. As larvas são frequentemente preservadas em frascos, fritas ou cozidas no vapor com arroz para fazer um prato chamado hebo-gohan. Os insetos adultos, que podem ter cinco centímetros de comprimento, são fritos no espeto, com ferrão e tudo, até a carapaça ficar leve e crocante. Eles deixam uma sensação de calor e formigamento na boca, conta o jornal americano.

As vespas asiáticas também podem dar um toque extra no licor. Espécimes vivos são afogados em shochu, uma bebida destilada clara. Na agonia da morte, eles liberam seu veneno no líquido, que é armazenado até que ganhe um tom escuro de âmbar. A verdadeira emoção, no entanto, não está em comer ou beber os insetos, mas em caçá-los, diz o "NYT".

Nos primeiros meses do verão, ainda de acordo com o jornal, os caçadores rastreiam as vespas gigantes até suas enormes colmeias, que podem abrigar até mil insetos e suas larvas, nos buracos de árvores podres ou no subsolo. Eles atraem um zangão com uma serpentina presa a um pedaço de peixe e, quando o inseto pega o pedaço e sai, a equipe de caça entra em uma corrida de obstáculos pela floresta. Ao encontrar o ninho, atordoam as vespas com fumaça, depois usam motosserras e pás para extraí-las.

Em outros casos, as colmeias são erradicadas por exterminadores profissionais. Torao Suzuki, de 75 anos, disse ao "NYT" que remove de 40 a 50 ninhos por ano, e é picado até 30 vezes por temporada. "Dói, incha e fica vermelho, mas é isso. Acho que estou imune", minimizou ele, que não come os insetos: "Mesmo quando digo às pessoas, elas vão te picar, elas ainda as comem. Dizem que isso os torna potentes ”. Suzuki contou também que vende as colmeias, troféus populares na região: elas adornam vestíbulos e salas de estar em residências, escolas e escritórios públicos.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
11°
Poucas nuvens

Mín. 11° Máx. 26°

11° Sensação
6 km/h Vento
64.8% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (30/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Domingo (31/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 26°

Sol com algumas nuvens
código HTML GestãoClick - Sistema ERP Online
Ele1 - Criar site de notícias